A Dança

Muitos historiadores a apontaram como a mais antiga das artes. Tudo na vida é movimento: o universo move seus sistemas, e cada sistema seus sóis, estrelas, planetas e satélites. As estações se sucedem ritmicamente, assim como o dia segue a noite , e a lua ao sol.
A vegetação evolui em ciclos rítmicos, sobem e baixam as marés o ser nasce, cresce, decresce e morre.
O homem é testemunha e participa de todo este movimento que a maravilha e expressa em danças seu assombro, sua necessidade de compreensão. Tudo o que é já foi dançado, tudo o que foi já se dançou e. talvez, sem percebê-lo, tudo o que há de ser já o dançamos.
Para o homem primitivo não existe a divisão entre religião e vida, é uma ação derivada de sua crença.
O homem evolui e com ele sua dança, tanto em seu conceito como na sua própria ação de mover-se e no desenho espacial. Esta forma vai revelando, através da história, a mutação social e cultural e a relação do homem com a paisagem, marco geográfico que lhe impõe distintos modos de vida.

História dos Ritmos

 

Samba; Tango; Bolero; Cha Cha Cha; Merengue; Salsa; Rumba; Valsa; Dança do Ventre; Boogie-Woogie; Cúmbia; Lambada; Mambo; Quickstep; Slow Fox; Swing; Polca; Maracatu; Maxixe; Lundu; Baião; Brega; Bumba Meu Boi; Caipira; Carimbó; Catira; Choro; Chula; Coco; Forró; Frevo; Jongo; Jovem Guarda; Parraxaxá; Quadrilha; Repente; Rock Roll; Xaxado; Xote; Axé Music.